“MEMENTO, HOMO, QUIS PULUIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”

SIMBOLOGIA TUMULAR

Na arte tumular, a simbologia é uma forma de representação de determinados contextos históricos, ideológicos, religiosos, sociais e econômicos, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida, representando a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito , inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dando sentido às vidas passadas preservadas no silêncio dos cemitérios. A simbologia tumular designa um elemento representativo visível em lugar de algo invisível, que tanto pode ser um objeto, como um conceito ou idéia. O símbolo tem exatamente essa propriedade excepcional de sintetizar, numa expressão simples e sensível, todas as influências do inconsciente e da consciência, bem como das forças instintivas e espirituais, em conflito ou em vias de se harmonizar no interior de cada ser. Desta forma, o símbolo é muito mais do que um simples sinal, transcende o significado e depende da interpretação que, por sua vez, depende de certa predisposição para ser interpretada. Ela intensifica a relação com o transcendente. A simbologia tumular está carregada de afetividade e dinamismo que harmoniza o ser vivente perante a morte, perpetuando a vida.

MÚSICA DO SITE

CATACUMBAS

Catacumbas eram os locais que serviam de cemitério subterrâneo aos primeiros aderentes do cristianismo, para quem a fé se baseava na esperança da vida eterna após a morte. Nos primeiros 200 anos da nova religião, antes de Constantino, é provável que tenham existido vários centros artísticos com estilos artísticos próprios, como Alexandria e Antióquia, mas é em Roma que se revelam as primeiras pinturas murais em catacumbas. É nesta constante aspiração ao Paraíso que o ritual funerário do enterro, e a consequente manutenção da sepultura, vai ser o elemento chave das primeiras representações da arte cristã.

9 de mai de 2011

REFLEXÕES DA MORTE - Simbologia Tumular - 91




ARTE TUMULAR
Sobre a base tumular destaca-se a escultura de uma figura feminina nua, apenas coberta na parte intima do ventre, com um manto que mantém sensualmente  pendurado em seu braço esquerdo, cuja mão está apoiada sobe o seu seio.Trata-se de uma figura  em plena exuberância da sua juventude, com os seios eretos e mostrando as suas formas voluptuosas. O seu rosto circunspecto olha para o infinito, ao mesmo tempo em que apoia a sua mão direita sobre um crânio, sentindo a morte e refletindo sobre a mesma.
Local: Cimitero monumentale di Staglieno, Gênova, Itália
Fotos: Mde Gallery
Descrição tumular: Helio Rubiales

Nenhum comentário:

Postar um comentário